Craftwood

Há sempre pessoas a querer aprender o ofício
da Marcenaria e haverá sempre um público-alvo.

Nome da oficina:
Craftwood – Conservação e Restauro de Madeiras e Mobiliário

Responsável:
Tiago Garcia

Morada:
Rua do Machadinho, Nº 56
1200-706 Lisboa

Telefone:
+351 93 416 30 77

Site:
www.craftwood.pt

Facebook:
@craftwood.pt

Instagram:
craftwood_

E-mail:
tiagogarcia@craftwood.pt

Áreas de Trabalho

Conservação e restauro de arte sacra / Conservação e restauro de escultura / Conservação e restauro de mobiliário / Conservação e restauro de pintura / Conservação e restauro de pintura de cavalete / Conservação e restauro de pintura mural / Conservação e restauro de talha dourada / Dourador / Embutidos / Empalhamento / Estofador / Marcenaria / Mobiliário por encomenda / Pintura / Reprodução de mobiliário antigo / Restauro / Talha

Maquinaria

Pantógrafo / Serra radial / Serra esquadrejadeira / Serra disco de bancada / Topia de peões / Topia de haste furada / Garlopa / Desengrossadeira / Engenho de furar / Furadora de corrente / Lixadeira de moldados / Compressor / Pistola de ar comprimido / Torno automático / Torno mecânico

Área

70 m2

Aberta desde

2013
Craftwood – Fotografias: Mariella Gentile

A Craftwood começou informalmente como uma aventura entre três amigos, Tiago Garcia, Igor Fonseca e João França.

A Craftwood começou informalmente como uma aventura entre três amigos, Tiago Garcia, Igor Fonseca e João França, quando ainda frequentavam o curso de Madeiras no Instituto de Artes e Ofícios da Fundação Ricardo do Espírito Santo Silva, em Lisboa. Aí, completaram o curso de Artesão Marceneiro com especialização em Talha. Ao findar este ciclo, e com um conjunto de competências adquiridas, prosseguiram os estudos, ingressando no curso de Conservação e Restauro de Madeiras e Mobiliário, que viriam a concluir em 2012. No último ano do curso de Conservação e Restauro, foi proposto a Tiago Garcia que passasse um dia por semana nas reservas do Museu de Artes Decorativas Portuguesas a trabalhar. Enquanto isso, aos fins de semana, iam à feira da ladra onde compraram as suas primeiras ferramentas e, em 2013, nasce a empresa como a conhecemos hoje. Os seus trabalhos incluem a reprodução de quatro mísulas entalhadas para o Palácio da Pena em Sintra; grades para pinturas integradas na exposição de Josefa d’Óbidos para o Museu Nacional de Arte Antiga; restauro de testeira de uma cadeira do século XVII para o Museu da Presidência da República; intervenção no retábulo da Igreja Matriz de Ota. Costumam fazer trabalhos em parceria com a ArteRestauro.

Seria importante manter as oficinas na cidade porque o contexto é também a parte da sua identidade e razão de existir como apoio à Reabilitação Urbana.

Para Tiago Garcia, o ofício tende a desaparecer do centro da cidade: Lisboa está com bastante projeção internacional, o que fez com que o custo por metro quadrado seja elevadíssimo, tendo tendência para subir. Seria, contudo, importante manter as oficinas na cidade porque o contexto é também a parte da sua identidade e razão de existir como apoio à Reabilitação Urbana. A arte de saber fazer pode ser agora uma moda, há sempre pessoas a querer aprender o ofício da Marcenaria e haverá sempre um público-alvo. Contudo, este ofício dirige-se a um nicho de mercado: hoje vive-se muito a síndrome IKEA, do mobiliário descartável; e a Craftwood trabalha para instituições ou particulares num nicho de mercado de classe média alta, que têm peças que precisam de manutenção, de preservação, de procedimentos que as preservem no tempo.